Liduina do Nascimento
Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente ._ William Shakespeare
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda




                           Inrredó do brazêro



Ela Havia fechado a janela que dava
Cum avizão pras banda du orizonti, adadonde assentada ela ficarra imaginanu o dia qui ia intravessá a bindita da ponti, i si punhava a soniar, fazenu prano e maiz prano, aprumodi o çeu sonio rinhalizá, oiava o prô do sou, avermeiado,
di côr di toda vercidade, nufinar dur dia, oiava oiava, mar num siacabava a marvada da sardadi...
Mar purdentu ela sintia instranha aligria, dece jeitu paçou un bucadu de tempu açin, cem çair de caza, cem sabê pruque si sintia açim. Dentu do çeu pêtiu a esperanssa num morria não, ela increditava qui o çeu amô inda ia querê çeu cunrassão. Mar o danadu du amô dela, era tinhozu, formozu i valenti, daquelez qui a muierada sin apaxona i só tem zóio pra ele, cem fazê conta da genti.
Eli? eli num quiria ela nao, i játinha ditu pra ela, marrela num dizistia di jeitunium, acharra sempri qui um dia azidéas deli ia mudá, i incirtia, incirtia, era uma muié teimoza, quiria pruquê quiria e deli num dizistia.
Mar acuntesseu nakela noiti na festa di santantôi, o porro tudu animadu, era cantiga e cumida pra tudu quantu era ladu, tudo de bam, e du mió, di sum pedo, santantôi e sunjuão, ela tarra trirtinha pelus kantu du terrêro,
tarra di mau a pió. Quandu assenderu a fuguêra i na primera labareda qui assubiu, ela terre uma vizão, Sun Juão desseu du çéu, i zoiô nuzóios dessa póbizinha e dice acim num sabi? Minhafía num fiqui trirtinha nao, esquessa esti cabra da pesti, va vivê a sua rida, rocê é pur Deuz muto quirida, mar vali os pudê di Deuz, quêra so quen liquizé, pruquê un homi quandu nun qué uma muié, num ten reza di padi véi qui fassa eli mudá azidéa nao, arrumi ôto jeitu pá sê filis, apôz quandu eli fujiu di tu, cuma ukão fujiu da crús é pruquê eli ja ten ôta muié nu sintido du juizu dele, segui teu camin vá sê filiz comu pudé.
Rái insquessendo eça tua lôcura, rái puraí riajar, rái cuincê ôtras peçoas, a rida é tão bunita, rái apriciar a fuguêra, cumer batata açada, pipoka dôsse e machêra.
Vá danssar inr
redó do brazêro dafugêra!
Quandu tu fô durmi di noiti reza pru teu anju diguarda prumodi ele ti aprotejer, pruquê pra tu sê filis esti cabra tu tem qui isquecê. Apoisbem,
Sum juão diçe
tudu iço e adispois çumiu. Nakela noiti eu num vi maiz a danada da tinhoza purali, axo qui ela inrrecebeu a lissão e foisse pra caza, mar si eu foçe ela, adispoiz deça, eu avera mermo era di  í  durmí.



.




 
Liduina do Nascimento
Enviado por Liduina do Nascimento em 12/06/2017
Alterado em 12/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.