CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
LinksLinks
Um jeito simples de poesia
Liduina do Nascimento
Textos

Desencantada

 
Num faz de conta das belas palavras
muitas delas perdidas,
Construimos
algo por dentro sem atitudes 
fingidas.
 
Outro dia
me perguntaram
mais uma vez,
Porque
viver sorrindo diante da vida?
Respondi
sem ter muito mais para pensar;  _ Mas porque chorar?
Prefiro os poemas que me olham triste,
Poemas meio tortos,
desengonçados daqueles que nos repuxam mostrando o lado feio de tudo.  Porque eles sabem que deste mundo louco, nada mais espero. São estes poemas crus, os mais sinceros.
Ainda a pouco olhando a vida pulsando lá fora recordei desolada fragmentos de um tempo ousado, de sonhos mais que alucinados, sufocados, depois enterrados feito indigentes. 
Por isso, prefiro as rajadas de vento que nada mais aspiram.
Vão apenas jogando na grama de qualquer jardim,
Os galhos secos caídos, que ferem, matando as flores,
Toras que sobraram de um tempo ruim, que chegam esmagando pétalas deixadas ao longo do caminho. Nada há de especial que me prenda.
Andei cega, surda, muda, saída dum sono quase profundo...
Quando os meus olhos de repente invadidos por milhões de nãos,
à claridade, ensinou-me à enxergar e escutar a pior verdade!
Nítidamente o que estava obscuro, era o que eu não devia calar.

Aprendemos a nos fecharmos num mundo íntimo, particular,
Não, não paramos de sonhar. Já não me apetece, por nada lutar!
Nem quero ir a lugar nenhum.
Exausta.
Só quero ficar quieta no meu canto, e gosto!
Tenho todo tempo do mundo para sorrir e do amor me desencantar.
Liduina do Nascimento
Enviado por Liduina do Nascimento em 07/08/2017
Alterado em 12/08/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.