Liduina do Nascimento
Inspirações poéticas, tema livre, nesse poema em construção que é viver.
Capa Meu Diário Textos Perfil






Cor do amor

 
O vento passa ligeiro e bate a porta, traz a folha seca que fica rodopiando pelo corredor. Vem em seguida a pluma em fiascos, que bailam suspensos pelos cantos e voam janela à fora deixam fervilhando as lembranças de um tempo distante em que eu perseguia plumas, e não sossegava, quando eu conseguia alcançá-las em minhas pequenas mãos inocentes, ficava triste elas se desmanchavam.

Com esse pensamento vou  fechar a porta, não sem antes perceber a réstia do sol iluminando um canto onde descansa a minha alma, brilho que tende à findar não sem antes suas marcas de uma tarde, deixar. Outro vento volta mais forte, puxa para o lado de fora o meu olhar, era para perceber o beija-flor apressado que não desiste da flor, parece comigo que não desisto do meu amor...

Volto o meu olhar para o que tem ao meu redor, não sem antes fixar no azul límpido de um céu cor do amor, não tem como deixar de pensar em você, não sei o que está fazendo nesse instante, mas entreguei ao vento o meu amor e pensamentos, ele haverá de lhe achar e tudo irá me falar ao voltar.
Liduina do Nascimento
Enviado por Liduina do Nascimento em 18/02/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.